Angola,

Maravilhas de Angola
Turismo de Natureza

Mais forte que a obra do Homem é a obra da Natureza, dessa Mãe de todos nós, que encheu cada recanto de beleza, que deu canto às aves, cheiro ao vento e beleza sem igual a cada pedaço do mundo.

E para quem se delicia com a real beleza do nosso planeta e se perde na contemplação da flora, fauna e ecologia, em áreas naturais, em reservas e santuários e onde a mão humana ainda não deixou a sua marca, o Turismo de Natureza é um deleite sem igual.

Não é à toa que o Ecoturismo tem sido objecto de grande atenção, não só porque cresce como tendência turística, como também porque dá alento à conservação do ambiente e ao estudo da natureza, com todo o respeito que ela merece.

Luanda

Foz do Rio Kwanza

O rio Kwanza é o maior rio exclusivamente angolano. O rio Kwanza nasce em Mumbué, município do Chitembo, Bié, no Planalto Central de Angola. O seu curso de 960 km desenha uma grande curva para Norte e para Oeste, antes de desaguar no Oceano Atlântico, na Barra do Cuanza, a sul de Luanda. É no maior afluente do Kwanza, o rio Lucala, que se encontram as grandes Quedas de Calandula. Junto da foz do rio fica o Parque Nacional da Quiçama.

O rio Kwanza foi o berço do antigo Reino do Ndongo, tendo também sido uma das vias de penetração dos portugueses em Angola no século XVI. O rio dá o seu nome a duas províncias de Angola — Kwanza Norte, na sua margem norte, e Kwanza Sul, na margem oposta — bem como, desde 1977, à unidade monetária nacional, o kwanza.

Corredor do Kwanza

O corredor do Kwanza, candidato à elevação a Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, tem um grande simbolismo na dinâmica histórico, cultural e comercial que os povos que habitam as margens do rio Kwanza e seus afluentes desenvolveram ao longo dos tempos, até a chegada dos portugueses, que usaram esta rota para a introdução do cristianismo e a construção de instituições político-militares do sistema colonial.  Detentor de um vasto conjunto de riquezas patrimoniais que definem o seu valor universal excepcional, o “Corredor do Kwanza” é tido por peritos como um bem misto, devido às suas características naturais e culturais. Do ponto de vista natural, o Corredor inclui uma vasta vegetação ao longo do Rio Kwanza, bem como uma rica biodiversidade. Já na vertente cultural, abarca um conjunto de bens como fortalezas, Igrejas seculares, entre outras infra-estruturas, incluindo a própria cidade histórica do Dondo.

Miradouro da Lua

Recurso Natural, localizado no Município de Belas, é um conjunto de falésias 40 km a sul da cidade de Luanda. Ao longo do tempo, a erosão provocada pelo ventos e pelas chuvas foi criando a paisagem de tipo lunar que hoje encontramos. É um ponto turístico de paragem obrigatória para quem se dirige de Luanda à Barra do Kwanza ou às praias do Cabo Ledo.

Parque Nacional da Quiçama

A 70 km a Sul da cidade capital, na Província de Luanda, tem uma extensão de 960.000 hectares. Os seus limites naturais são o rio Kwanza, o rio Longa e o Oceano Atlântico. A fauna do Parque Nacional da Quiçama é historicamente caracterizada por elefantes, pacaças, palancas vermelhas, gungas, hipopótamos, manatins, tartarugas marinhas, nunces, golungos, bambis, seixas, facocheros e javalis. O ecossistema marinho compreende 120 km de costa atlântica, desde a barra do Kwanza até à foz do rio Longa. A diversidade biológica é rica, destacando-se as tartarugas marinhas, espécies na sua maioria, ameaçadas de extinção.

Benguela

Açude Rio da Catumbela

O rio Catumbela nasce na serra de Cassoco e desagua no Atlântico, a sul da cidade do Lobito, após um percurso de 240 km. O Rio Catumbela dita uma magnífica paisagem e é palco de observação de jacarés no seu habitat natural.

Parque Natural e Regional de Chimalavera

Situado na Província de Benguela, dista cerca de 30 Km da cidade de Benguela, abrangendo uma área de 150 Km2. O Parque Natural e Regional de Chimalavera é constituído por planícies elevadas, rodeadas por montanhas escarpadas de altitude que varia entre os 50m e os 265m. A cobertura vegetal é escassa e constituída por vegetação herbácea rasteira e arbustos espinhosos, ideal para os núcleos de cabra de leque (Antidorcas marsupialis) aí existentes e que podem ser observados em estado natural.

Morro do Sombreiro

Localizado em Benguela, todos o avistam, ao longe, mas são poucos os que sabem que é possível chegar à base da enorme laje do Sombreiro, corroída pelos ventos marítimos. Deitada sobre o cume do morro, o lugar apresenta a forma de um enorme chapéu, sendo daí original o seu nome.

Namibe

Oásis Lagoa do Arco

A Lagoa dos Arcos ou ”Oásis Arco” dista de Porto Alexandre (hoje Tombua) cerca de 25 km por estrada. Situa-se próximo do Rio Curoca que, na época das chuvas, alimenta a lagoa. A lagoa é um verdadeiro oásis num inesperado e inesquecível  revês de paisagem no meio do deserto.

Parque Nacional do Iona

Localizado do Sul de Angola, a cerca de 200 km da cidade de Mocâmedes, entre o oceano Atlântico e os rios Cunene e Curoca, o parque ocupa uma área de 15.150 km2. O parque apresenta uma biodiversidade rica, sendo facilmente avistadas manadas de Cabras de leque, Orix, Capotas, Zebras, Avestruz, entre outros. O Orix é o símbolo do parque, que oferece também uma flora diversificada, destacando-se a única e inimitável Welwitschia Mirabilis.

Colinas do Coroca

Local tranquilo e isolado entre as cidades do Namibe e do Tombwa, é um cenário icônico, de beleza e grandiosidade ímpares e ponto de referência da província do Namibe. As gigantes torres esculpidas pela natureza, variam 25 m de altura e são fruto da acção dos ventos, que criou belos monumentos rochosos em belos tons de vermelho, que produzem gigantescas sombras no chão desértico.

Welwitschia Mirabilis

Uma planta endémica do deserto do Namibe e que simboliza a Região Sul de Angola e o Norte da Namíbia, com aproximadamente 1.5 metros de altura, encontra-se entre morros de pedras e rodeados de outras pequenas Welwitschias e é verdadeiramente única e marcante.

Zaire

Grutas de Nzau Evua

Uma rede de grutas e galerias, a maioria desconhecida e por explorar, que forma as cavernas de Zau Evua. É um incrível mundo cerimonial com paredes ocres e esverdeadas, forradas com colunas, estalactites e estalagmites. As grutas situam-se a 68 km de M’Banza Kongo e a 150 km de N’Zeto, na estrada que liga estas duas cidades.

Malanje

Reserva do Luando

Situada na Província de Malanje, a Reserva de Luando foi criada em 1935 como Reserva de Caça, adquirindo apenas o estatuto da Reserva Natural Integral em 1955, para proteger e conservar a palanca negra gigante. Com uma área de 8.280 Km2, os seus limites naturais são os rios Kwanza e Luando.

Pedras Negras de Pungo- Andongo

Localizadas no município do Cacuso, a cerca de 116 km da cidade de Malanje, são uma importante atracção turística do país. Estas estranhas formações rochosas com milhões de anos, elevam-se sobre a savana que as rodeia.

Parque Nacional de Cangandala

Localizado perto de Malanje, o parque situa-se entre o rio Cuije e dois tributários do rio Cuanza e foi criado em 1963, tendo em vista a proteção da Palanca Negra Gigante que é uma população de uma subespécie rara de antílope, endémica de Angola, que só pode ser encontrada na Província de Malanje.

Quedas de Musselengue

São um dos recantos mais deslumbrantes do Malanje, onde, ao som do ribombar da água que nasce nas montanhas verdes do interior, se aprecia uma paisagem de cortar a respiração.

Quedas de Calandula

Postal de visita de Angola. Localizadas no rio Lucala, o mais importante afluente do rio Cuanza, são as segundas quedas mais altas de África, com extensão de 410 metros e 105 metros de altura. Ficam a cerca de 80 km da cidade de Malanje e a 420 km de Luanda. Para além de um inigualável cenário, são também propícias a banhos.

Mesa da rainha Njinga Mbandi

Na província do Malange, na Calandula, ergue-se de forma magistral um imenso planalto, cujo topo, completamente plano, lembra uma mesa. Reza a lenda que as pedras negras de Pungo-andongo ficaram marcadas as passadas da rainha Njinga Mbandi, na sua retirada estratégica de Luanda perseguida pelos portugueses. Tais marcas podem ainda hoje ser encontradas na comuna do Cuale, Calandula, na denominada mesa da rainha Njinga Mbandi. Lugar verdadeiramente místico e grandioso.

Rápidos do rio Kwanza

Em Malanje, há um local onde a água tem vida, corre e canta,  ganhando uma torrente de vida. No município de Cangandala, os rápidos do Kwanza são paragem obrigatória por quem viaja. Savana e floresta, canoas e momentos inesquecíveis perdidos na imensidão da paisagem. Antes de voltar, obrigatória é também uma visita ao Parque Nacional da Cangandala, onde além de aves únicas, se pode encontrar o animal mais emblemático do país - a Palanca Negra Gigante.

Huíla

Fenda da Tundavala

No planalto da Huíla, a olhar o Deserto de Namibe, a Fenda da Tundavala situa-se a um pouco mais de dois mil metros de altitude sobre a cordilheira da Chela e está rodeada de vertiginosas falésias. Dista cerca de 15 km da cidade do Lubango e é um ponto de extraordinário interesse. A fenda, pela sua particularidade e beleza, foi classificada como paisagem natural e cultural. As comunidades nativas consideram-na um local sagrado, onde os espíritos dos seus antepassados se abrigam em gavetas invisíveis e de lá observam o mundo dos vivos.

Grutas do Tchiviguiro - "Ondimba"

Situam-se no Município da Humpata, localidade do Tchivinguiro. A palavra "Ondimba", significa na Língua Nacional nyaneka fenda em montanha. Durante muito tempo pensava-se haver ali um grande tesouro, infelizmente, até à data, não se confirmou. À entrada da gruta, brota água de uma tranquila nascente e as estalagmites, assemelham-se a pequenas figurinhas de um templo abandonado. A gruta é uma das maravilhas naturais da Huíla e do país.

Cascata da Huíla

Localizada no município da Chibia, a bela castata deslumbra com o seu cântico de água e algumas infra estruturas no local convidam a momentos inesquecíveis.

Miradouro da Serra da Leba

Localizado na cordilheira da Chela, na Huíla, permite abarcar a imensidão da paisagem de um só ponto. Além desta caprichosa obra de engenharia, imagem de marca da região, do miradouro contempla-se a imponente cascata que remata a paisagem de forma soberba. Obra natural e humana em perfeita harmonia.

Quedas Tchitchalala

Local em estado quase virgem, fruto da sua localização pouco acessível e praticamente desconhecida. Neste santuário ecológico, as águas cristalinas, o ambiente relaxante a beleza rara convidam à descoberta e a banhos inesquecíveis.

Quedas de Água de Caconda

Uma enorme extensão de beleza rara e integrada numa comunidade local, onde se associa o património natural ao património cultural, num elevado potencial turístico, de momento praticamente desconhecida.

Cascata da Hunguéria

Localizada no município da Chibia, uma cascata de águas frescas, com piscinas naturais, belíssimas paisagens e um património natural de elevado valor. Por ter um acesso difícil, residem nas suas proximidades algumas comunidades rurais, o que lhe confere um valor natural e cultural acrescido.

Parque Nacional do Bicuar

Desde 1964 que o Parque tem como missão a preservação das espécies existentes na zona, elefantes, leões, palancas, búfalos etc. Uma extensão de 1.200Km2, é uma das mais promissoras reservas turísticas do Sul de Angola, com condições naturais únicas, paisagens deslumbrantes e belos exemplares de animais selvagens.

Cascata da Estacão Zootécnica da Humpata

Importante centro de estudos agropecuários, a estação está integrada desde há décadas na Humpata, na província da Huíla. Foi em tempos território da população Bóer, da qual permanece um imenso legado. Com uma altitude de 1937 mt e solos muito férteis, a Humpata é dona de uma enorme beleza natural e grande potencial a explorar, como a fenda do Alto Bimbe, o miradouro do Bimbe, a escadaria da Serra da Leba, a cascata da estação zootécnica da Humpata e a barragem das Neves. A agricultura e a pecuária são os principais sectores da região.

Cuando Cubango

Parque Nacional de Luengue Luiana

O Parque localiza-se na Província de Cuando Cubango, cobrindo a Reserva Parcial de Luiana, partes das coutadas públicas de Longa, Mavinga, Luengue, Luiana e de Mucusso, numa superfície 22.610 km2. Caracteriza-se por três grandes zonas de vegetação, maioritariamente compostas por floresta densa seca, savana com arbustos e árvores.

Bacia do Okavango

A bacia cobre uma superfície com cerca de 323 192 km2, compartilhada por Angola, Namíbia e Botswana. O Rio Okavango é o quarto rio mais longo da África Austral, com um curso de 1.100 km desde o centro de Angola, onde é designado por Kubango, através da Namíbia até ao Kalahari no Botswana.

Ilha do Rio Kuebe

Parte da Bacia do Okavango a bacia tem inúmeras ilhas. A nascente tem águas azuis, cuja imagem é, considerada única no mundo é habitat de diferentes espécies de peixe, lontras e possui uma considerável população de jacarés.

Parque Nacional de Mavinga

Um clima ameno com uma temperatura média anual de 20,6C e 92 dias de precipitação, criaram as condições ideais para o desenvolvimento de um ecossistema rico e de características únicas, que conquista o visitante ao primeiro vislumbre.

Cunene

Parque Nacional da Mupa

Declarada reserva em 1938 para a protecção da subespécie angolana de girafa, Giraffa camelopardalis angolensis, a Mupa foi elevada à categoria de Parque Nacional, em 1964. Um verdadeiro santuário de fauna e flora intocadas.

SIGA-NOS

Inscreva-se na nossa Newsletter

Registe-se e receba todas as nossas novidades, promoções e produtos em destaque.

2019©angolaturismo.ao, Todos os direitos reservados.

brasao2 01 01

Pesquisa